Pesquisar
Close this search box.

Pare de trabalhar como um cavalo (A disciplinada busca por menos)

Este ano, um dos livros que li com o meu filho de doze anos foi o clássico A Revolução dos Bichos.

No romance alegórico de George Orwell, somos apresentados ao cavalo Lutador.

Descrito como forte e confiável, Lutador tinha um lema que repetia sempre que estava diante de um problema: “Eu vou trabalhar mais.”

Ele era fiel à sua filosofia, mesmo sob as piores circunstâncias. Até que um dia, exausto e abatido, foi mandado para o matadouro.

Por muito tempo, fui como Lutador. Todas as vezes que eu me via cercado de problemas, me esforçava para trabalhar por mais tempo e com mais intensidade.

Eu seguia o que havia aprendido desde pequeno, crendo piamente que todo esforço seria recompensado.

Até que tive meu primeiro Burnout.

Captei a lição. O trabalho árduo é sim importante, porém, mais esforço não necessariamente gera mais resultado.

Por isso, hoje procuro seguir a filosofia do Essencialismo: “Menos porém melhor.”

Acostumar-se a essa ideia pode ser mais difícil do que parece, principalmente quando em algum momento no passado você foi recompensado por fazer mais, e mais e mais.

No entanto, é inevitável que em determinados momentos, mais esforço acabe provocando uma estagnação em nosso progresso.

E é aqui que o “menos porém melhor” entra em cena.

Você já deve ter ouvido falar no Princípio de Pareto, ou a Regra do 80/20.

Seu criador nos ensinou que 20% do nosso esforço é responsável por 80% do nosso resultado.

Tempos depois, outro sábio expandiu a ideia criando o que ficou conhecido como “Lei das Poucas Coisas Vitais”.

Ele observou que é possível melhorar imensamente a qualidade de algo resolvendo uma fração minúscula de problemas.

Essa filosofia, aliás, causou uma revolução econômica num país inteiro, o Japão.

Portanto, não há argumento racional que consiga derrubar a ideia, e por isso “a disciplinada busca por menos”, divulgada pelo escritor Greg McKeown, continua a conquistar adeptos em todo o mundo, inclusive, eu.

“Menos porém melhor”- experimente isso e seja feliz!

Fique bem.

Quem gostou deste artigo também leu:

Paulo Maccedo – Todos os direitos reservados 2023