[Tom Sawyer] Uma oportunidade rara e única de fazer algo de extraordinário

[Tom Sawyer] Uma oportunidade rara e única de fazer algo de extraordinário

Caro leitor,

Hoje acordei com o desejo de escrever sobre Tom enquanto tomava a minha primeira xícara de café.

Tom Sawyer é o personagem icônico do escritor Mark Twain. Bem, talvez eu nunca disse a você, mas o livro de Tom Sawyer é um dos meus preferidos.

Tom era brincalhão, esperto e arteiro, e por sempre estar aprontando, sua Tia Polly lhes dava tarefas duras como castigo. Numa dessas situações, Tom foi confrontado com o nada invejável trabalho de pintar a cerca.

Fez tantos planos para se divertir, mas agora estava lá com um balde de tinta e um pincel de cabo longo, diante da cerca que se entendia por uns trinta metros de comprimento e quase dois de altura. 

O trabalho teria que ser feito à vista dos seus amigos, que passariam por ali e provavelmente zombariam dele. Mas Tom, que não era nada bobo, teve uma brilhante ideia…

Quando os amigos aparecem, ele começou a movimentar o pincel com alegria. Começou a pintar com entusiasmo, às vezes recuando para observar sua obra com orgulho de artista . Ou seja, em vez de parecer que estava sendo torturado com o trabalho, fez parecer que a tarefa era:

Uma oportunidade rara e única de fazer algo de extraordinário…

E só ele tinha aquela oportunidade no momento.

Os amigos de Tom acabaram por ter vontade de participar na pintura. Como não tinham que pintar a cerca por obrigação e castigo, passaram a ver a tarefa como diversão. Então Tom convenceu aos amigos a negociar objetos para que ele os deixasse pintar também.

Tudo começou com Ben Rogers, que deu uma maçã ao Tom em troca de ser deixado pintar a cerca. E não demorou muito para que outros meninos chegassem para serem vencidos pelo desejo de participar do trabalho…

E todos cederam ao esperto Tom objetos para desfrutarem do mesmo privilégio.

Os negócios foram de vento em popa e no fim do dia Tom era um “menino rico”. O “empreendedor” observava os amigos trabalharem enquanto comia a maçã de Rogers e manuseava os objetos que ganhou dos outros garotos.

Nosso personagem descobriu uma grande lei de ação humana:

Que para fazer um homem ou um menino cobiçar uma coisa, é apenas necessário mostrar entusiasmo e fazer a coisa difícil de atingir.

Persuasão e a influência funcionam através de uma série de diversificados e sofisticados fatores. Nesta situação, temos 2 princípios básicos aplicados:

1). Escassez.

“A forma mais explosiva de escassez é quando existe uma competição por recursos limitados. Quando competimos por alguma coisa é quando o nosso desejo atinge o nível máximo. A sensação de estar competindo por algo possui propriedades motivadoras muito poderosas.”

(Este é um trecho na íntegra do meu novo livro: “Copywriting”, que está na página 184, no primeiro parágrafo do tópico: “A competição por recursos escassos).

Tom sem saber aplicou o princípio da escassez quando mostrou aos amigos que estavam diante de uma oportunidade única de fazer algo grandioso.

2). Aprovação social.

“Consideramos um comportamento adequado em dada situação na medida em que vemos ser seguido pelos outros. Quanto maior o número de pessoas que acham uma ideia correta, maior a chance de alguém considerá-la correta”.

(Já esta explicação está na página 76 do livro, na seção sobre “Aprovação Social”).

A partir do momento que Ben Rogers pegou no pincel, mais e mais garotos desejaram fazê-lo. E o gatilho da prova social foi aplicada.

Pegou a ideia?

Aconselho a compreender melhor esses princípios e usar isso em seu contexto.

Tenho certeza que seus produtos ou serviços serão mais cobiçados e as pessoas estarão dispostas a ceder algo em troca dele.

(O único conselho é que você dê realmente algo de valor às pessoas e não fuja de suas obrigações. rsrsrs)

PS.: Eu cito no livro que leituras como Tom Sawyer me ajudaram a ser um copywriter melhor. Isso está na página 122 no capítulo chamado “Sobre Escrever Bem”. Aliás, se você ainda não tem o livro, pode fazer por aqui.

Paulo Maccedo

Paulo Maccedo é autor de livros sobre marketing e criação de riquezas e copywriter de resposta direta. Escreveu 2 livros best-sellers sobre escrita persuasiva, um deles, considerado o livro mais completo sobre copy do mercado brasileiro. Carioca, casado, pai do Peter Gabriel, gosta de rock, churrasco e literatura.

Este post tem 2 comentários

  1. Excelente dicas! Trabalho com vendas de móveis sendo que reduziram muito, e estou tendo muita dificuldade de fecha venda imediata, será que vc poderia citar algumas dicas de persuasão para ter clientes com fechamento, resumindo o meu trabalho…o cliente vem a loja e quer orçamento de sofá e sala de jantar sendo que nossas opçãoe são inúmeras com prazo de entrega é 40 dias com opções de o cliente trocar tecido e tamanho!! Esse é o meu trabalho.
    Desde já, fico agradecida pela dicas aqui lida😊

Deixe uma resposta

Fechar Menu