Pesquisar
Close this search box.

O que a história de Bill Porter pode te ensinar sobre vendas e superação

bill-porter

Num fim de semana passado no litoral fluminense, minha esposa e eu tivemos que dormir numa casa sem acesso à internet.

Com vontade de assistir um filme, lembrei que havia encontrado alguns filmes antigos guardados num HD.

Um deles é sobre um cara chamado Bill Porter:

“De porta em Porta”.

Li sobre Bill Porter na época que eu ainda era vendedor direto, em meados de 2010.

Bill nasceu com paralisia cerebral. Quando jovem, não conseguira obter emprego devido à sua deficiência, mas se recusou a desistir.

Devidamente motivado, acabou convencendo a Watkins Incorporated a lhe dar um emprego de vendedor de porta em porta, vendendo seus produtos em uma rota de 11 quilômetros na área de Portland (a pior rota da época).

Nos primeiros contatos com seus clientes, ele vivencia situações de preconceito e rejeição. Mas não desiste e passa a buscar formas de conquistar seus objetivos.

Resumindo a história, Bill acaba aprendendo como vender bem e se torna o vendedor mais proeminente da Watkins, e trabalhou para a empresa por mais de quarenta anos.

Assistindo novamente o filme novamente, me emocionei como na primeira vez.

Quando lembro de caras com Bill, me obrigado a renunciar qualquer desejo de desistência que possa surgir. Digo a mim mesmo:

Nós podemos… podemos nos tornar melhores, independente da dificuldade.

Essa é uma das coisas mais legais da vida.

Histórias como essa servem como combustível para vendedores. Lembro que na primeira vez que assistir ao filme de Bill, senti-me mais motivado a continuar buscando resultados como homem de vendas.

Lembrava das cenas onde ele recebia “nãos” e “portas na cara”, e depois, como ele obteve sucesso oferecendo seus produtos, mesmo com dificuldade para se comunicar.

Se você deseja evoluir na área de vendas e vender qualquer coisa que queira, aconselho conhecer a história de Bill Porter.

Certeza que vai se emocionar e se inspirar na trajetória de superação desse americano teimoso!

Quem gostou deste artigo também leu:

Paulo Maccedo – Todos os direitos reservados 2023