Pesquisar
Close this search box.

Jogue fora sua planilha de gatilhos mentais

Não é pequeno o número de alunos que chegam até a mim com a visão distorcida dos famosos “gatilhos mentais”.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Isso porque viram em algum blog famoso ou fizeram algum curso que diz ser preciso sempre escolher gatilhos mentais para usar num copy.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Primeiro, não curto muito o termo “gatilhos mentais”, conquanto eu saiba que o uso do mesmo já se popularizou… e que eu mesmo já usei em algumas situações. 

Inclusive, tenho posts aqui no blog falando disso e um capítulo no meu livro falando a respeito.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Também destaco que existem profissionais sérios que eu respeito que usam o vocábulo, mas é bom deixar claro porque eu mesmo evito usar.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Gatilhos mentais surgem de um erro de interpretação de alguns ao excelente trabalho do Dr. Robert Cialdini, famoso pela teoria dos Princípios da Persuasão

O termo mais adequado para isso, na minha visão, seria “atalho mental”, que é baseado nos atalhos que o cérebro pega ao tomar decisões.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Esses atalhos são tomados de forma automática para nos fazer economizar tempo e energia. Ao meu ver, não é de “gatilhos” que estamos falando.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Considerando isso, eu sempre destaco aos meus alunos que grandes copywriters não ficam pensando que “gatilhos” vão usar num copy.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Eu roço cotovelo com 5 ou 6 copywriters com resultados notórios, que se destacam em suas áreas, e nenhum deles diz pensar em “gatilho mental” ao escrever.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O que fazemos é internalizar as técnicas de copy e sempre ter em mente que o trabalho é basicamente:

Preparar o terreno para deixar o prospecto emocionalmente disponível para desejar a oferta e tomar a decisão de compra
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Esqueça aquela planilha cheia de gatilhos que você tem no Google Drive.

E escreva com foco na emoção do prospecto.

Quem gostou deste artigo também leu:

Paulo Maccedo – Todos os direitos reservados 2023