Dez fatos que você precisa considerar sobre a união de marketing e jornalismo

marketing e jornalismo

Um

O LinkedIn anuncia que planeja lançar uma seção dedicada a notícias de negócios para atrair usuários mais frequentes. A rede social, comprada pela Microsoft por US$ 26 bilhões em 2016, com 467 milhões de membros no total, sendo 106 usuários ativos mensais em média, batizou a área de “Trending Storylines”.

A seção terá um fluxo de links para fontes externas de notícias misturadas com posts relacionados feitos por usuários. Outras redes sociais como Facebook, Twitter e Snapchat há tempos adicionam algum tipo de recurso de exposição de grandes notícias.

Dois

Richard Gringras, vice-presidente de News do Google disse recentemente que a empresa tem um interesse maior com os meios jornalísticos do que com as redes sociais, como o Facebook. Ele diz que o Google não pode ser considerado mídia: “Não somos o editor do mundo”.

Gringras destaca um trabalho forte em combate às notícias falsas através do descredenciamento de sites fake news (criados só para lucrar a publicidade veiculada pelo Google) e as parcerias com organizações jornalísticas e de checagem de informações.

Três

Ainda que os teóricos tenham demorado a considerar os blogs como uma forma legítima de jornalismo, este tipo de canal tem sido muito importante para a divulgação de notícias e informações no ambiente digital.

Os blogs provam que se pode fazer jornalismo sério, tanto por empresas tradicionais, quanto por organizações independentes. Atualmente os blogs jornalísticos e de opinião superam a popularidade dos grandes veículos, principalmente nas redes sociais.

Quatro

“Os jornalistas precisam entender melhor de negócios de notícias”, afirma um relatório sobre a situação do jornalismo online da Escola de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade de Columbia. O estudo sugere aos profissionais da área que repensem a relação com os anunciantes, informou o New York Times.

De acordo com o material, as plataformas tradicionais usadas para fazer jornalismo não devem ser descartadas. No entanto, muitos setores da indústria tradicional de notícias ainda têm dificuldades com as transformações impostas pela tecnologia digital.

Cinco

Manuela Barem, editora-chefe do Buzz Feed Brasil afirma que “o brasileiro tem um consumo muito refinado de internet”. Em 2016, a empresa montou um novo escritório em São Paulo e criou uma editoria de notícias comandada por uma equipe de jornalistas experientes.

Um levantamento anual do Instituto Reuters de Estudos sobre Jornalismo mostra que entre 26 países pesquisados, o Brasil é o país que lidera no uso das redes sociais como principal fonte de informação. 72% das pessoas entrevistadas afirmaram usar as redes sociais para consumir notícias.

Seis

Como eu explico neste artigo, engajamento social se relaciona com quanto o público participa, comenta e se mobiliza em torno da marca através da presença online. Destaco que se um negócio souber engajar as pessoas, consegue, efetivamente, alcançar mais resultados com o marketing.

O Relatório Mundial de Engajamento Digital do Consumidor 2011 – Foreplay Engajamento Digital define engajamento como a transição dos “esforços de marketing das empresas em menos propaganda e mais comunicação”.

Sete

Jornalistas podem encontrar no ambiente digital uma grande oportunidade profissional. A produção de conteúdo é uma das novas exigências do marketing, e as empresas que não se dispuserem a se comunicar dessa forma, terão dificuldades em fazer negócios.

Neste cenário, quem domina as técnicas de escrita e tem facilidade para argumentar, pode trabalhar produzindo conteúdo de alguma forma. Como o jornalista é um profissional que sabe fornecer informação de verdade, escrevendo de uma forma a considerar tom de voz, canal e público, pode ser de grande valor para uma estratégia de marketing de conteúdo.

Oito

Para que as empresas consigam se comunicar bem com seus consumidores na internet, uma boa estratégia de conteúdo se faz essencial. Isso pode assumir diversas formas, mas a criação de um blog corporativo tem sido uma das mais efetivas.

O blog é uma das maneiras mais acessíveis de reproduzir conteúdo relevante para os clientes e engajá-los às marcas. Para isso, a criação de uma linha editorial forte, a escolha do tom de voz certo e a definição de temas relevantes, é fundamental. O jornalista sabe fazer isso muito bem.

Nove

Um blog pode ser usado para os negócios de muitas formas, mas existem três que podemos destacar: publicação de posts, publicação de artigos e a publicação de notícias. Os dois primeiros já vêm sendo praticados por inúmeras empresas que iniciam, migram ou estendem seus processos para o digital.

A terceira, talvez por tímida atuação de jornalistas no marketing, não é muito praticada por empresas  não jornalísticas. Mas já há uma tendência crescente de organizações unindo marketing e jornalismo. Estão adotando áreas de notícias, pelo simples fato de que…

Dez

Notícias engajam.

PS.: Neste artigo aqui, eu explico como as notícias podem ser incluídas em uma estratégia de marketing de conteúdo. 

Tudo o que você precisa saber para gerar mais tráfego, mais leads e mais vendas usando o poder da persuasão e copywriting!

Paulo Maccedo

Paulo Maccedo

Analista de marketing, copywriter de resposta direta e escritor best-seller. É autor do que é considerado o livro sobre copywriting mais completo em língua portuguesa. Carioca, casado com a Patricia, pai do Peter e do Benício. Nas horas vagas, é ouvinte de boa música, fazedor de churrasco, mergulhador em literatura clássica e entusiasta de motocicletas.
Paulo Maccedo

Paulo Maccedo

Analista de marketing, copywriter de resposta direta e escritor best-seller. É autor do que é considerado o livro sobre copywriting mais completo em língua portuguesa. Carioca, casado com a Patricia, pai do Peter e do Benício. Nas horas vagas, é ouvinte de boa música, fazedor de churrasco, mergulhador em literatura clássica e entusiasta de motocicletas.

Deixe uma resposta

Quem gostou deste artigo leu um desses

Todos os direitos reservados 2020