AIDA: A Técnica de Marketing da Bruxa de Blair

tecnica AIDA

O pessoal do filme “A Bruxa de Blair” utilizou uma estratégia de marketing muito eficiente.

Antes de projetarem o filme, eles criaram um site que oferecia dicas intrigantes sobre a obra.

Quem acessava se deparava com os “trechos do filme encontrados”, fragmentos que deixavam as pessoas em dúvida e com a curiosidade se a coisa era real ou fictícia.

O endereço na web continuou gerando resultados conforme era mais acessado e recebia mais arquivos em texto, áudio e vídeo.

“A Bruxa de Blair” começou a se tornar um mito e despertou o desejo maior nas pessoas que queriam a todo custo ver o filme.

Interessante é que quem desejasse assisti-lo, precisava garantir os ingressos com bastante antecedência.

A produção custou US$ 35 mil, mas gerou receitas de US$ 280 milhões em todo mundo.

Isso só foi possível por causa da AIDA.

No cinema, ela é usada com bastante resultados. As grandes produtoras geralmente iniciam suas campanhas de marketing muitos meses antes do lançamento do filme.

Utilizam-se outdoors, trailers e teases curtos para chamar a atenção e provocar o interesse do público.

O desejo é instigado com o lançamento do trailer completo, que é sempre bem preparado (em muito casos, mais impactante que o próprio filme) e instiga as pessoas ao mostrar pontos principais da trama, efeitos especiais, explosões e cenas decisivas.

Na semana de lançamento, propagandas em rádio, tevê e internet convidam o consumidor a ir comprar os ingressos e assistir o filme.

Que tal usar isso também em seu negócio? Em seus textos para a web? Em suas cartas de vendas?

O que é AIDA e porque você deve usá-la em seu negócio

Na prática, poucas mensagens levam o consumidor desde o conhecimento à compra, mas a abordagem AIDA sugere qualidades de uma boa mensagem.  – Philip Kotler

Atenção, interesse, desejo e ação. Essas são os termos por trás da sigla AIDA, um dos maiores fundamentos do marketing e da prática da propaganda.

Ele descreve as etapas básicas que podem ser usadas para persuadir clientes em potencial.

Um bom número de sites e blogs trata sobre o tema, e algumas pessoas até pensam que a técnica surgiu no marketing digital.

Mas o conceito é bem antigo, sendo usado pela primeira vez por St. Elmo Lewis, em 1898.

Philip Kotler cita o livro “The Piscologyh of Selling and Adversiting” (A psicologia da venda e publicidade), de 1925, escrito pelo psicólogo Edward Strong como o material de origem para a AIDA.

Mas Lewis já utilizava o método antes, criando até um slogan:

Atrair atenção, manter o interesse, criar o desejo”.

O termo “agir” foi incluído mais tarde.

A AIDA é frequentemente expressada como um tipo de funil porque canaliza os sentimentos dos clientes por meio de cada estágio do processo de comunicação em direção a uma venda.

O próprio Lewis explicou como o conceito pode ser usado para garantir que uma mensagem publicitária de resultados:

“A missão de um anúncio é ATRAIR um leitor, de modo que ele vai olhar para o anúncio e começar a lê-lo; em seguida, vai se INTERESSAR por ele e vai continuar a lê-lo; depois, para CONVENCÊ-LO (desejo), de modo que quando ele ler, ele vai acreditar. Se um anúncio publicitário contém estas três qualidades de sucesso, é um anúncio publicitário bem-sucedido.”

AIDA na prática

Captar a atenção do cliente é o primeiro desafio, e isso pode ser alcançado pelo uso de um slogan atraente, oferecendo um desconto ou algo de graça ou demonstrando como um problema pode ser solucionado.

Em conteúdos e cartas de vendas, a criação de headlines/títulos é muito importante, pois é a partir deles é que o usuário será atraído para a mensagem.

Uma vez capturada a atenção, ela deve ser convertida em interesse genuíno.

Para garantir isso, você deve sempre destacar bem as vantagens do produto em vez de simplesmente listar as características.

Muitos empreendedores e profissionais de marketing cometem o erro comum de falar de aspectos descritivos do produto, mas o que realmente gera interesse são os benefícios que estão sendo oferecidos.

Depoimentos e testemunhos podem ser usados para criar o desejo. Por isso os copywriters se valem muito da prova social em cartas de vendas, pois declarações reais de pessoas satisfeitas com o produto ou serviço servem como agente motivador e elemento de confiança para a pessoa decidir comprar.

Finalmente, a mensagem deve conter elementos que incentivem a compra. Num anúncio, isso pode ser um link direto, uma frase que sirva de call-to-action, um botão.

A ideia é persuadir o receptor da mensagem a definitivamente adquirir o que está sendo promovido.

Veja cada parte explicadas separadamente:

Atenção

A primeira etapa tem o objetivo de ganhar a atenção do visitante e fazê-lo perceber a oferta.

Aqui você deve tomar cuidado com o uso das cores e a posição dos elementos nas páginas do seu site.

Ter um site rápido faz toda a diferença nesse caso, e os seus conteúdos devem ser pensados para assegurar a atenção do leitor também.

Para provocar a atenção em seus visitantes, seus títulos devem prometer alguma coisa, ou seja, indicar um benefício.

Lembre-se que o usuário está em busca de algo, como sanar alguma dor, obter algum tipo de prazer, entreter-se, enfim, seu título deve indicar que o texto tem o que ele busca.

Para isso, é essencial conhecer o público-leitor, estudar a persona e ter conhecimento sobre o que seu consumidor em potencial está buscando.

Você pode aprender mais sobre criação de títulos aqui!

Interesse

Uma vez garantida a atenção, você precisa despertar o interesse dos seus visitantes.

Coloque as Informações em destaque, seja nos títulos, subtítulos ou nos textos de banners.

Mostre para o usuário que o seu negócio empresa tem o que ele procura, e que seu produto ou serviço é algo que vale a pena.

Os especialistas em anúncios em AdWords, por exemplo, sabem que as taxas de conversão aumentam consideravelmente quando a palavra-chave buscada aparece em destaque.

Atraia o visitante e faça com que ele siga para a próxima etapa. Isso pode não acontecer se o termo estiver “no meio do bolo” sem destaque algum.

Eu sempre aplico isso em meus conteúdos e sempre funciona bem.

A ideia é deixar o leitor instigado em consumir o conteúdo e saber mais sobre o que está sendo oferecido.

Desejo

Nas etapas anteriores, a coisa acontece num período rápido, mas aqui nesse ponto a coisa pode demorar um pouco mais.

Para que o desejo seja conseguido, as informações precisam ser analisadas com mais detalhes pelo visitante.

É no “vale do desejo” que ele observa se a oferta e são capazes de atender às necessidades dele como consumidor.

Indicadores de confiabilidade, como comentários, depoimentos, lista de clientes, formas de garantia, entre outros costumam ser responsáveis por influenciar positivamente a taxa de conversão de sua mensagem.

Claro que em conteúdos de blog isso não se encaixa bem, mas quando a AIDA está sendo colocada em prática em descrições e em textos de venda, é fundamental se valer destes recursos.

Ação

A etapa final, a ação, você precisa fazer de tudo para não atrapalhar o cliente. Para que o leitor/cliente faça o que você deseja, as instruções devem ser claras.

Mantendo a mensagem coerente durante, não dando informações complexas, a conversão tende a acontecer.

O Call-to-Action é um elemento essencial na fase da ação. Em termos de marketing, o CTA é uma “chamada para ação”, e no âmbito digital, são palavras e frases contendo links que levam os usuários a realizar ações.

O principal objetivo é direcioná-los a um local de conversão, como uma página de captura ou página de vendas.

Quer mais conteúdos como este? Cadastre-se aqui e faça parte de minha comunidade!

Tudo o que você precisa saber para gerar mais tráfego, mais leads e mais vendas usando o poder da persuasão e copywriting!

Paulo Maccedo

Paulo Maccedo

Analista de marketing, copywriter de resposta direta e escritor best-seller. É autor do que é considerado o livro sobre copywriting mais completo em língua portuguesa. Carioca, casado com a Patricia, pai do Peter e do Benício. Nas horas vagas, é ouvinte de boa música, fazedor de churrasco, mergulhador em literatura clássica e entusiasta de motocicletas.
Paulo Maccedo

Paulo Maccedo

Analista de marketing, copywriter de resposta direta e escritor best-seller. É autor do que é considerado o livro sobre copywriting mais completo em língua portuguesa. Carioca, casado com a Patricia, pai do Peter e do Benício. Nas horas vagas, é ouvinte de boa música, fazedor de churrasco, mergulhador em literatura clássica e entusiasta de motocicletas.

Este post tem 6 comentários

  1. Pablo Vieira

    Como sempre excelentes posts, Paulo!!

    1. Paulo

      Valeu Pablo! Sua presença aqui me alegra. Estamos juntos!

  2. catarina augusta

    Muito boa a explanação, inclusive para ser explorado o método junto às metodologias de ensino.

  3. Gostei muito do conteúdo seu Paulo Macedo logo vou comprar o seu livro azulsinho quero muito aprender escrever na web
    Mais desde já quero tirar uma dúvida para aprender a pessoas dever gostar de ler muito né.

    1. Paulo Maccedo

      Olá, Júlio! Essencial ler bastante, mano. Sem isso, raramente você será um bom copywriter!

Deixe uma resposta

Quem gostou deste artigo leu um desses

Todos os direitos reservados 2020